Ir para o menu| Ir para Conteúdo| Acessibilidade Alternar Contraste | Maior Constraste| Menor Contraste

Instituto Mineiro de Agropecuária - IMA

Programa Nacional de Sanidade dos Equídeos

PDFImprimirE-mail

Novos procedimentos

Ofício Circular GDA nº 8/2012 - Exigências sanitárias em relação à Influenza Equina

Ofício Circular GDA nº 12 /2013 - Cadastro obrigatório de estabelecimentos com equídeos

Ofício Circular IMA/GDA Nº 24/2013 - Suspeita de enfermidade vesicular em equídeos

Portaria 1.217 - Dispõe sobre o registro de entidades promotoras, baixa normas para a realização e controle sanitário de animais em eventos pecuários.

Literatura sobre a Influenza Equina

 

Recomendações e cuidados 

De acordo com a legislação federal e estadual, não existe campanha de vacinação rotineira, obrigatória para eqüídeos. A vacinação contra Influenza Eqüina, no estado de Minas Gerais é obrigatória no caso da participação em eventos pecuários (leilões, feiras, exposições, rodeios, cavalgadas, vaquejadas e demais concentrações de eqüídeos). A vacinação contra a Raiva é recomendada, uma vez que a doença em herbívoros é endêmica no estado.  Para Anemia Infecciosa Equina (AIE) e Mormo, não existe vacina nem tratamento e preconiza-se o sacrifício de animais.

A comprovação da existência de qualquer equídeo positivo para AIE deve ser comunicada aos órgãos de defesa sanitária animal: IMA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. A legislação estadual que estabelece normas de controle da AIE determina que, se for diagnosticado animal positivo, esse deve ser sacrificado e a propriedade interditada para a realização de saneamento, ou seja, a realização de dois exames de IDGA consecutivos, em intervalos de 30 dias, de todo efetivo equídeo restante. Caso os dois exames sejam negativos, a propriedade será desinterditada pelo IMA.

Em relação ao Mormo, nos casos em que houver suspeita de que algum animal está com a doença, o IMA deverá ser imediatamente comunicado, para que as providências de ordem sanitária sejam rapidamente tomadas. O Mormo é uma zoonose e medidas imediatas de biossegurança devem ser implantadas, para evitar que a doença se dissemine e/ou venha comprometer a saúde pública.

Suspeitando-se de Raiva ou Encefalomielite Equina, o IMA deve ser comunicado o mais rapidamente possível.

Para o trânsito de eqüídeos dentro do estado de Minas Gerais é necessário:

- Ter a propriedade cadastrada no órgão de defesa sanitária animal do estado de origem, sendo que animais de Minas Gerais podem realizar o cadastro, em qualquer escritório do IMA;

- Guia de Trânsito Animal (GTA);

- Não apresentar sinais de doenças infectocontagiosas;

- Atestado de exame laboratorial negativo para AIE;

- Atestado negativo de exame laboratorial para Mormo (contatar o escritório local do IMA, para se informar em que situações este exame laboratorial pode ser dispensado);

- Atestado de vacinação contra Influenza Eqüina e Atestado Sanitário emitido por Médico Veterinário responsável  técnico relatando a não ocorrência clínica da doença, no estabelecimento de origem,  nos trinta dias que antecederam a emissão da GTA, no caso de participação dos animais em eventos pecuários (contatar o escritório do IMA, para se informar sobre os detalhes que deverão estar registrados nos referidos atestados).

 

        Legislaçao Equídeos - clique aqui para consultar a legislação vigente